Evasivas

No principio (não foi quando criei o céu e a terra - essa é velha), quando não éramos nem namorados aconteceu um fato curioso, triste e totalmente inesperado.

Como sou impulsiva, e dona de pensamentos desconexos (na visão de quem lê), acabaria me enrolando se dissesse muita coisa por e-mail. Numa dessas respostas, para evitar mal entendidos mandei.


(...)

E a resposta foi das mais objetivas: recebi um belo de um:


( . )


Bem assim. Um ponto final. Mas eu nem sabia que tínhamos algo para encerrar? E muito menos assim, objetivo quase agressivo.

Não me dei por satisfeita, já que eu sim tinha muita coisa para dizer, e para ouvir como vim a saber mais tarde e perguntei why. E a resposta foi em inglês, dizendo que estava cansado mas não disse exatamente de quê. Imaginei que fosse das fugas e respostas evasivas. E eu fugia e era evasiva porque gostava demais e precisava me afastar.

Naquela época as guerras eram ortográficas. Procurei-o durante muito tempo. E depois que nos reencontramos, não podíamos ficar juntos: eu tinha me casado. E hoje, bem, melhor não comentar. Não convém ficar deprê por causa disso.

Tempo passado. Não tenho a menor saudade dessa guerra ortográfica, mas dos longos e-mails que trocamos. Tenho saudade de algo que vou buscar a vida toda, que persigo incessantemente, seja no trabalho, como mãe e no que quer que eu me envolva. Busco isso, e que isso não se apague, ao contrário, gostaria que fosse alimentada. Uma coisa sem a qual não sei viver.

A paixão.

(dessa busca não desisto nunca)

Comentários

Princess Deluxxe disse…
e existe neste mundo quem não busque pela paixão?

estarei por aqui e pelos outros caminhos todos tb, certo?
bjoss

Postagens mais visitadas deste blog

Como cada signo troca uma lâmpada

Dicas para disfarçar e controlar as lágrimas

Putz