Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2013

Quem apagou a luz?

Não vou ser capaz de enumerar minhas emoções na ordem em que as sinto com mais intensidade, tal como Max no filme "Mary and Max".

Confusa, feliz, enciumada, angustiada, perdida...

Perdida é bem a palavra, porque tem saída. Mas qual?

Como é possível?

Sempre que eu passava por uma fase dessas de péssimo humor (por mais que risse facilmente), medo do mundo, do futuro, de mim mesma mais isso, isso e aquilo, costumava tentar ao máximo reagir. Não dormia, insistia em trabalhar, evitava chorar enquanto podia e me sentia lutadora. Essa luta comigo mesma de certa forma me envaidecia. Por que forte não é o que não cai, mas o que levanta. E eu achava que que assim me equilibrava. Só que não. Tapar o sol com a peneira não ajuda muito mas vamos dizer que a tentativa era válida para ilustrar que eu estava "tentando".

Dessa vez foi diferente. Passei dez dias dormindo até cada vez mais tarde, cheguei a dormir mais de 12 horas por dia. Passava o resto do dia evitando pessoas na net, no celular e escondida dentro de casa. Não me olhava nem no espelho. Chorei o que pude. Tentava controlar mas quando via que não dava, deixava. Essa reação diferente me deixou envergonhada mas mudou o rumo das coisas.

Fui ao fundo do poço, bebi lama, não vi …

Senta aqui do meu lado

Me ouve. Me julgue se quiser, prometo não ficar ofendida. Mas tente compreender.

Viva minha vida com a minha cabeça depois voltamos a conversar.

Nessa última semana tudo o que fiz foi dormir e analisar as possibilidades enquanto controlava o choro. Nenhuma delas me parece promissora, todas lembram prisão. Todas lembram fracasso. Ou o famoso "subir bem alto na escada errada". Ou seja, nada está bom.

O mais engraçado é que essas mesmas possibilidades eram muito atraentes a um mês atrás.

Por esse e inúmeros outros motivos é que começo a admitir que sou bipolar. Que tenho que me preprarar para esses ciclos eu já sabia, por causa do DDA. Mas que eles iam insistir em me atormentar repetidas vezes comecei a perceber faz pouco.

Então fico assim: hora de procurar o médico de novo, mas dessa vez sem risco de perder os cabelos. Sem pena de mim mesma.

Fugindo

Hoje eu só quero voltar a dormir. Não quero (e nem vou) atender o celular. Já dormi 11 horas. Não vou dizer que minha cama hoje é o lugar mais legal do mundo por que é nela que habitam meus pesadelos, mas é  para lá que gostaria de voltar.

Mesmo porque, meus pesadelos tem me atormentado durante o dia por onde quer que eu ande. Vou voltar a dormir.

amor é outra coisa

como diz o perfil no twitter naoehamor, amor não é aquilo que te queima por dentro e te tira a razão: o nome disso é tequila. Amor é outra coisa.

Amor é dormir junto. É sentar bem do lado, é aproveitar cada segundo livre para para poder se ver. É, agora sei disso, muito mais do que preencher o pensamento e o dia: é a tentativa, o querer muito, preencher o futuro.

Futuro era uma palavra que minha forma de amar desconhecia.

Mesmo que prefira andar de burka

a ter que me esconder na net, ando com o coração aquecido.

O problema é que ele toma as mesmas atitudes que eu quando se vê em situações de ciúmes ou coisa parecida: desdém e arrogância. Eu agiria da mesma forma, dando uma (sendo)  de superior.

Estaria eu provando do próprio veneno? Meu ex-marido diz que sim.


Prefiro andar de burka

Uma vez meu pai viu minhas irmãs brincando quando eram bem pequenas, e uma delas falou em limite. Ele achou muito curioso que naquela idade ela já sabia o que significava limites e sabia, inclusive, impôr.

Meu namorado gostaria que nao abrisse minha vida na net. Mesmo num blogue sem nome, sem endereço, sem referências. Gostaria também que eu trocasse de celular. São limites que ele impõe. Posso andar de bumbum de fora sempre que quiser, coisa que não faço. Posso ir numa festa sozinha. Mas não posso emitir minha opinião? Tem algo errado.

Como apesar de ter a língua solta e afiada não tenho muitos amigos para desabafos em geral, e uma enorme necessidade de me comunicar, vou continuar blogando sempre que me der vontade. Limite que eu imponho.

Preferia que me pedisse que usasse burka.

Língua solta e afiada

Pensamento solto também. Até aqui nenhuma novidade para quem me conhece tando daqui quanto da "vida real". Não sou do tipo bagaceira, mas escorrego um WTF de vez em quando, um PQP.

Mas educadamente falo (digito) sobre qualquer assunto se me der vontade e achar adequado.

Por exemplo: não digo o que faço na cama, mas como sou do tipo que deixa transparecer que gosta de "tudo muito" não é difícil deduzir.

E estou sangrando desde ontem. E não estou naqueles dias não. Fiz tanto, mas tanto sexo nos últimos dias que estou sangrando. Não foi de forma violenta, mas...

Para quem acha que o post é desnecessário, isso aqui é uma conversa entre amigos íntimos e falta de sexo era uma queixa antiga. E como é bem relembrar os últimos cinco dias, os cinco meses mais recentes e me dar conta que a realidade é bem diferente hoje.

Será a vida se redimindo aos poucos e começando pela cama?


Para bom entendedor

Para bom entendedor, meia palavra, quando sou eu quem fala essa bendita palavra, dá um grande mal entendido. Isso sim.
Um blogueiro amigo falou sobre isso não faz muito. 
Hoje meu namorado confessou pela segunda e última vez que não me entende. Tentei tirar da boca dele algo como "te entendo um pouco" mas não consegui. Mas também não fiquei brava porque sim, eu o entendo. 
Falando ou escrevendo, tenho a impressão de que mesmo quando consigo me fazer entender, ainda assim não sou compreendida. Isso cansa. Ser absolvida ou condenada por pouca coisa repetidas vezes cansa. 
Sendo assim, vou além de me calar: vou me esconder.