As amarras internas

Hoje lendo um post nada a ver com esse assunto, não parei de pensar na coragem que está me faltando. Não como antes, mas estou sendo aquele exemplo de entusiasmo que já fui várias vezes. E de tantas idas e vindas do fundo do poço já tenho lá minhas estratégias para reagir. Uma delas é conversar com gente que tem um problema maior que o meu. Outra é lembrar que sim, claro, vai passar. Let it be.

Mas realmente, mais que entusiasmo é preciso coragem por que tem horas que nosso sonho nem é tão dourado assim.

Quando penso em desistir, penso naquelas crianças que são atletas. A missão delas é maior que a minha e o que elas querem é o primeiro lugar. E primeiro lugar só tem espaço para um! Superam a dor, o medo, e tentam. Por anos, se for necessário. Penso nas modelos que põe a própria aparência a julgamento. Eu ainda não pus nem meu trabalho (por que ainda se confunde demais comigo mesma) imagine meu "eu"!

O maldito medo do julgamento dos outros, o medo de não ser a melhor e pior e mais assustador ainda: o medo de ser comum e medíocre. Meus deus... isso me apavora. E não poder fazer, não ser capaz. Impotente, isso também judia e trava.

E coragem para mim é ir adiante. Com um certo medo, porque quem não teme não precisa de coragem, já é ousado ou sem noção o bastante.

Se eu tenho medo? Muuuito. Ele insiste em me acompanhar e parece que quanto mais o tempo passa, mais aumenta e de mais coragem preciso. E continuo tentando. Tal como os atletas quero o primeiro lugar, ser a melhor em tudo sempre. Deve ser por isso que tudo me parece tão arriscado, tão difícil. Tenho uma lista de coisa praticamente impossíveis aue já fiz e que preciso relembrar em momentos como esse. Tem horas que tudo parece estar fadado ao sucesso absoluto, que nada vai dar errado. Em outras... Ao menos sou sincera comigo mesma.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como cada signo troca uma lâmpada

Dicas para disfarçar e controlar as lágrimas

Putz