Um brinde

Ao Martini.

Primeiro quero dizer que não aceito sua decisão, não entendo e não concordo. Hoje mesmo vou reunir essa mulherada (e homarada, why not?) em protesto. Adiei o quanto pude a visita porque definitivamente nao queria ver isso e esperava que voltasse atrás e continuasse a escrever, coisa que faz com alma e raciocínio de uma forma que nunca serei capaz. Inspira.

Espero vê-lo por aqui sempre, ainda que em silêncio, mas perceptível pelas estatísticas ou gerenciador/contador de visitas.

E segundo, sabe que tem um lugar especial na minha vida, e não por essa sua decisão mas por muitos outros motivos sempre vai ter um link para tí, um recado, um texto, ou vai se ver nas entrelinhas.

Foi muito bom ter te conhecido e espero que volte a blogar assim que puder. Vai ter sempre assunto, vai ter sempre uma legião de leitores com comentários inflamados ou não.

A música não tem muito a ver com a situação e nem com o que sinto por ti (superficialmente explicado num post abaixo) mas é uma resposta à pergunta: quem viu quem primeiro na bloguesfera. Eu já tinha visto Martini por aí, mas quando chamou Mano Chao de poeta vi que éramos "coexistiais" (me apropriando de uma palavra tua).

Para um viajante feito tu, mesmo nao sendo clandestino.
http://youtu.be/rSEUH4KRfN8
E para o Martini que protesta:
http://youtu.be/KV0-biHAtNY

E me gustas tu, Martini! E muito!

A net nao é mais a mesma, definitivamente.
 


Comentários

Martini Bianco disse…
Que dizer depois disto?

Tu és uma daquelas duas, e já sabes tanto...

Poderias ter incluído este post lá nos comentários, afinal era uma despedida e ficaria muito bem.

continuaremos com as nossas interações, isso sei que já é imutável.

E a mi me gustas tu también, desd él primer dia.

beijo grande, dda coexistial :)
desculpe o auê disse…
Ficaria, mas nossa amizade é maior que a de dois blogueiros comuns.

Não quis te expôr, e continuo insistindo para que volte a escrever.

Postagens mais visitadas deste blog

Como cada signo troca uma lâmpada

Dicas para disfarçar e controlar as lágrimas

Putz