Depurada

Hoje é dia das almas (eu tenho uma atraçao enorme por tudo que se refira ao "outro lado") e dá para imaginar como é uma sessão de umbanda nessa noite. 

Punk. E olhe que eu estava preparada! Quando cheguei lá a única coisa eu pude emitir foi: meu deus! Nessa novela que é minha vida, ontem um vivi um capítulo importante. Tomei banho, fui toda cheirosa e maquiada por que eu sabia que era um dia importante.

Fiquei um pouco com a minha roupa depois vesti uma roupa de religião. Assim que a saia desceu pelas pernas senti meus olhos se abrindo e o medo se instalando não pouco a pouco, mas total. 

Nunca usei drogas mais pesadas por vários motivos, entre eles porque não me permito ficar "ausente". Evito ficar de porre também por isso, embora esse não seja o principal motivo. Não bebo por ter tendencia a pinguça, e não uso drogas para não virar uma cristiane f da vida. Mas juro, não gosto da ideia de perder a consciência. Nem reiki eu fiz!

E ficar ausente fazia parte do batuque de ontem. Agora sabem o porquê do meu medo.

A Sete Saias que era a anfitriã, me convidou inúmeras vezes para girar com ela. Aceitei o convite e fui. Emiti de novo: meu deus! Nem "wtf" serve, nem "punk", ou "o que foi isso",  não tem palavra nem no meu hebraico para descrever o que vivi em poucos segundos. Não sei onde estive, mas não senti meus pés, vi tudo escuro duas vezes, senti meu corpo cair e ser segurada por sei lá quem. Quando voltei, apesar de ter girado com os olhos fechados não estava tonta, mas tudo parecia diferente e nunca, nunca mesmo tinha me sentido assim. Foi como se meu cérebro tivesse não formatado, mas passado por um desfragmentador, um debugger, um anti-vírus e reiniciado e só então estivesse na sua total capacidade. Reiniciei.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como cada signo troca uma lâmpada

Dicas para disfarçar e controlar as lágrimas

Putz