Movimento

Sim, eu sou feliz. 

Sozinha, com dois kids e tudo o que isso representa mais a cobrança que eu mesma imponho, sobre minhas costas.

Porque criar filhos, e mais complexo do que ensinar boas maneiras, mantê-los limpos e saudáveis. Isso é o mínimo. Eu como mãe quero ser mais que isso. 

Sempre sob tensão, meu cabelo caiu quase todo e a tatuagem no crânio passa a ser mais do que uma brincadeira de mau gosto e uma possibilidade a ser levada a sério. No meu trabalho  minha mesa fica mais próximo do balcao de atendimento que as demais, e de costas para meu chefe. Ou seja, ele vê minha tela sempre que levantar o olhar. Assim como minhas costas e a calcinha, se esta insistir e subir acima do cós da calça. Por não saber dizer não e por ter a mesa mais próxima do atendimento, sou a que mais sofre com trabalhos urgente e o com o olhar very impaciente do cliente. Pelos mesmos motivos os trabalhos que eu tenho em andamento acabam atrasando. 

Corro contra o relógio, não só para não chegar atrasada mas para poder levar as três encarnações simultaneamente. Porque sou mãe, trabalhadora, estudante, dona-de-casa, namorada enventual, assim como a maioria das mulheres, mas não me contento em ser uma pessoa básica e tenho uma infinidade de projetos para o futuro que tento levar adiante. E ainda faço tudo do modo mais perfeito e intenso possível.

Básico para mim é uma ofensa. Superficial também. 

Não durmo direito nunca. Nunca mesmo. E nem o suficiente. Minha saúde já era e minha beleza em parte, também. Digo em parte  porque uma pessoa "diversa" é lindo. Então sou um pouco linda.

Se sou feliz? Sim porque foi tudo escolha minha. Só estou um pouco cansada e precisando parar só um pouquinho. O bastante para recuperar o fôlego e continuar.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como cada signo troca uma lâmpada

Dicas para disfarçar e controlar as lágrimas

Putz