Sinto como se meu bebê tivesse me libertado. Parece que já o conheço, sei seus gostos e tenho a impressão de quem uma personalidade bem diferente dos outros filhos por aí.

Quando fui mãe passei um filtro nas relações. Esse filtro de agora é ainda mais apurado. Vai sobrar pouca coisa. Tem situações que já nao suporto, pessoas que olho com outros olhos. Virando as costas sem nenhum peso na consciência, tranquila como se deixasse algo muito desnecessário para trás. Esse nível de exigência é tão, tão grande que nem eu que sou a mãe passei ilesa. Me senti muito pequena no início. Tive que me transformar ainda mais nesses primeiros meses.

Vou abandonando (e confrontando de perto) cada medo, cada vulnerabilidade. Se olhar sob uma lupa assim não é confortável, mas o melhor para fazer nesse momento porque quero estar preparada para o que vou enfrentar. Quero estar preparada inclusive para se feliz. Eu era daquelas que se a vida desse certo, não teria roupa para isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como cada signo troca uma lâmpada

Dicas para disfarçar e controlar as lágrimas

Putz